Aluguel mais caro em novembro com o novo reajuste de 10,79%

Andares baixos em prédios: vantagens e desvantagens
31 de outubro de 2018

Quem mora de aluguel residencial e tem o contrato com o vencimento para novembro de 2018 pode sofrer com um reajuste de 10,79% no valor pago.

O aumento é referente ao IGP-M (Índice Geral de Preços-Mercado), e deve acontecer se o índice for o usado para o reajuste de contratos.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o valor de 10,79% é a variação do indicador resultante dos últimos 12 meses. Só no mês de outubro, o IGP-M teve um crescimento de 0,89%, acumulando no ano o valor de 9,25% em alta.

Em análise geral, o valor representa um grande aumento, pois em comparação com o ano anterior, o valor foi de apenas 1,41% em 12 meses. Um dos fatores que contribuíram para o crescimento do IGP-M é que os gastos familiares pesaram e empurraram o valor para cima.

Outra taxa que também cresceu foi a do Índice Nacional de Custo da Construção, que passou de 0,17% para 0,33% com a inflação.

Para simplificar e exemplificar o cálculo que será aplicado no valor do aluguel pelo inquilino no final do mês de novembro ou no início do mês de dezembro, o Sindicato da Habitação (SECOVI-SP) divulgou o fator de atualização.

O locador do imóvel deve aplicar o fator de 1,1079 no valor do aluguel. Por exemplo, se em um contrato o aluguel tem o valor de R$1.500, o cálculo a ser feito é multiplicar pelo fator de atualização (1,500 x 1,1079). Com o novo reajuste, o preço do aluguel seria de R$1.661,85.

Os dados foram divulgados no dia 30 de outubro pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro.